A suspeita estava no ar e agora foi confirmada: há uma ligação entre os dois ataques terroristas contra turistas estrangeiros realizados na Tunísia em 26 de junho e 18 de março.

O secretário de Estado do Interior do governo tunisino disse que "foi confirmado que o atacante (de Sousse) teve treino de armas na Líbia no mesmo período que os atacantes do Museu do Bardo. (...) Ele atravessou a fronteira em segredo".

Seifeddine Rezgui, um estudante de 24 anos, matou 38 pessoas numa praia e num hotel de Sousse antes de ser abatido pelas forças de segurança. 

Segundo as autoridades tunisinas, ele deixou os seus estudos na Universidade de Kairouan em janeiro deste ano e foi para a cidade líbia de Sabratha, um dos principais centros de treino de extremistas ligados ao Estado Islâmico e a outros grupos.

Rezgui era considerado um bom aluno e os administradores da universidade onde ele obteve um mestrado em Engenharia Elétrica dizem que não havia nenhuma indicação de que ele pudesse cometer um ato desta natureza, não obstante se saber que ele pertencia ao grupo islamista Ansar Al Sharia.

Os serviços de segurança da Tunísia temem agora que possa haver novos ataques terroristas, tanto mais que o mundo islâmico está em pleno mês do Ramadão.