Dzhokhar Tsarnaev, o acusado do atentado na Maratona de Boston que foi encontrado escondido num barco após os atentados, deixou uma mensagem escrita à mão descrevendo o ataque como uma resposta aos ataques americanos contra países muçulmanos.

A notícia foi dada pela CBS News, que cita fontes anónimas, explicando que o alegado terrorista usou uma caneta para escrever o texto numa parede interior do barco, onde a polícia o encontrou quatro dias após o atentado de 15 de abril. «Quando atacam um muçulmano, atacam todos os muçulmanos», terá deixado escrito.

Katherine Gulotta, porta-voz do FBI em Boston, recusou-se a confirmar ou negar a notícia e a agência Reuters informou que também não conseguiu confirmar a informação.

A reportagem da CBS News relatava que Tsarnaev, de 19 anos, intitulou-se como «mártir», tal como o seu irmão mais velho e também suspeito Tamerlan Tsarnaev, 26 anos, que morreu no tiroteio com a polícia.

«Basicamente, a mensagem diz que o atentado foi uma represália pelos crimes dos Estados Unidos contra os muçulmanos em países como o Iraque ou o Afeganistão, e que as vítimas do atentado em Boston foram danos colaterais, da mesma forma que as vítimas inocentes foram danos colaterais nas guerras dos EUA em todo o mundo», disse o jornalista da CBS News John Miller, que é um ex-porta-voz do FBI.

Dzhokhar Tsarnaev foi preso em Watertown, Massachusetts, e continua internado no hospital de uma prisão a oeste de Boston, enfrentando acusações que podem levar à pena de morte.