Uma operação da Europol permitiu a detenção de 47 suspeitos de participação em redes de tráfico de pessoas e exploração laboral, bem como a identificação e resgate de 275 vítimas, informou o Serviço Europeu de Polícia esta quinta-feira.

Num comunicado, a Europol indicou que autoridades judiciais e serviços de emprego e imigração de 21 países participaram na operação, que decorreu entre 28 de maio e 5 de junho.

A ação de fiscalização focou-se em locais estratégicos como aeroportos e postos de fronteira, sendo que durante a operação foram controladas 6709 pessoas, 4156 veículos e 2271 empresas.

Com esta operação a Europol deu início a outras 23 investigações com vista a identificar mais suspeitos e vitimas relacionadas com o tráfico de pessoas em toda a União Europeia.

Segundo a mesma fonte, esta foi uma ação concertada com as autoridades dos 28.

Esta foi a primeira vez que os inspetores do trabalho de toda a UE cooperaram estreitamente com as autoridades policiais, de forma coordenada para identificar, proteger e resgatar as vítimas de exploração laboral”, lê-se no comunicado da polícia europeia.

O intercâmbio de inspetores do trabalho entre países “contribuiu significativamente” para o sucesso das ações ligadas ao tráfico de seres humanos.

A exploração laboral acontecia em diversos fatores, como transportes, agricultura, construção civil, têxtil, alimentar e restauração. Para além dos locais de trabalho ilegal foram ainda identificados pontos de recrutamento “usados ​​para fazer propaganda de postos de trabalho que resultam em vítimas exploradas e em negócios suspeitos atuam para além das fronteiras”.