Xanana Gusmão demitiu-se hoje da presidência do CNRT, assumindo a responsabilidade pela derrota do partido nas legislativas timorenses.

De saída, o político fez questão de manifestar que defende que o partido não deve entrar numa coligação de Governo. Deve, sim, ser oposição.

A Fretilin venceu as legislativas timorenses realizadas a 22 de julho, com uma vantagem de cerca de mil votos em relação ao CNRT. Os resultados foram validados na última terça-feira, 1 de agosto.

A Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), de Mari Alkatiri, obteve 168.422 votos e o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), de Xanana Gusmão, conseguiu 167.330.

Aplicando o método de Hondt, a Fretilin terá 23 deputados e o CNRT terá 22 no Parlamento Nacional, onde há um total de 65 lugares.

A terceira força mais votada foi o Partido Libertação Popular (PLP), do ex-Presidente Taur Matan Ruak, que conseguiu 60.092 votos (oito deputados), seguindo-se o Partido Democrático (PD), com 55.595 votos (sete deputados) e o Khunto, com 36.546 votos e cinco deputados.