Um tribunal chinês sentenciou a 18 meses de prisão um homem que pretendia realizar um protesto no aniversário do massacre da praça de Tiananmen, disse o seu advogado.

Gu Yimin foi considerado culpado por «incitar à subversão do Estado» depois de ter publicado na internet fotografia do protesto dos estudantes e pedir autorização para se manifestar, na mesma praça, no aniversário do ano passado, disse o advogado Liu Weiguo.

«Este julgamento viola a Constituição», disse o causídico, ao acrescentar que Gu Yimin vai recorrer da sentença proferida por um tribunal de Gangshu, província de Jiangsu, e que apenas estava a exercer o seu direito de liberdade de expressão.

Centenas, ou milhares, de pessoas morreram em 1989 na praça de Tiananmen quando o exército chinês carregou sobre os manifestantes terminando com o movimento pró-democracia.