Cinco torres de apartamentos localizadas no bairro de Camden, no norte de Londres, tiveram, esta sexta-feira, ordem de evacuação imediata por motivos de segurança, uma vez que têm um revestimento inflamável semelhante ao da Torre Grenfell.

Cerca de 800 agregados familiares foram afetados, explicou a responsável municipal Georgia Gould, acrescentando que muitos deles compostos por pessoas com poucos recursos que vivem de apoios sociais.

As autoridades municipais de Camden indicaram que os habitantes destas torres vão ser realojados temporariamente em outras casas ou em hotéis e que aqueles edifícios vão ser alvo de "trabalhos urgentes de proteção contra incêndio".

Os trabalhos devem durar "duas a três semanas" e vão consistir na substituição do revestimento das fachadas e na introdução de medidas anti-incêndios.

O incêndio na Torre Grenfell fez 79 vítimas mortais e 79 feridos. Durante o combate às chamas também ficaram feridos nove bombeiros.

Esta sexta-feira, a imprensa britânica avançou que foi um frigorífico que provocou o curto circuito que deu lugar ao incêndio na torre de 24 andares. Embora a polícia ainda não se tenha pronunciado sobre a causa da tragédia, a comunicação social diz que as chamas começaram no apartamento de um taxista etíope, no quarto andar, e depois se espalharam pelo revestimento do prédio.

Algumas das famílias que sobreviveram ao incêndio que, a 14 de junho, destruiu por completo a Torre Grenfell, em Londres, no Reino Unido, vão ser realojadas em cerca de 68 apartamentos de luxo, ainda em construção, em Kensington. As casas, que têm um preço de venda em mercado a partir de 1,6 milhões de libras (1,8 milhões de euros) e podem chegar aos 8,5 milhões de libras (9,6 milhões de euros), foram adquiridas pela câmara de Londres. No entanto, este realojamento não está a ser visto com bons olhos pelos futuros vizinhos, que consideram que a situação é "injusta".