Três mulheres foram detidas, nesta quinta-feira, nos arredores de Paris por alegadas atividades terroristas, no âmbito da investigação sobre o carro com botijas de gás, descoberto no fim de semana nas proximidades da catedral de Notre Dame, na capital francesa.

Uma das detidas, que é uma das filhas do dono do carro, foi alvejada pela polícia, enquanto um agente da polícia foi ferido com uma faca.

O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, disse, em conferência de imprensa, que as mulheres, com 19, 23 e 39 anos, são “radicalizadas e fanatizadas” e preparavam outras ações terroristas “iminentes”.

Quando os membros das forças de segurança realizavam a detenção, numa estação de comboios de Boussy Saint Antoine, uma das suspeitas espetou uma faca nas costas de um dos agentes. A polícia abriu fogo sobre a mulher, que também ficou ferida com gravidade.

Entre as três mulheres detidas, duas estavam identificadas pela polícia por terem tentado viajar para a Síria para se juntarem a grupos ‘jihadistas’. A filha do proprietário do veículo, de 19 anos, estava a ser procurada pelas autoridades.

Uma carrinha suspeita, sem placa de matrícula e carregada com botijas de gás, foi descoberta na madrugada de sábado para domingo, perto da catedral de Notre-Dame. A viatura continha pelo menos seis botijas de gás. Cinco estavam cheias, na parte de trás da carrinha, e uma estava vazia, no banco da frente.