«O que importa aqui também a nós destacar é que ambas as ameaças são consideradas com o mesmo nível de prioridade que a NATO deve ter para responder a essas ameaças. Não há aqui um privilégio, digamos assim», afirmou.