A procuradoria federal da Bélgica anunciou, este sábado, acusado no processo dos atentados terroristas de Paris, Mohamed Abrini, admitiu ser o "homem de chapéu" que acompanhava os dois bombistas suicidas no aeroporto de Bruxelas a 22 de março, noticia a agência Reuters.

"Confrontámo-lo com a evidência de um vídeo preparado pela nossa unidade especial ", disse um porta-voz da procuradoria belga. “Ele teve que admitir que era ele”, acrescentou.

 

"Ele confessou ter estado no local do crime e explicou que deitou o casaco para o lixo e vendeu o chapéu" depois dos atentados.

A procuradoria acusou o belga-marroquino Mohamed Abrini de “participação em atividades de um grupo terrorista e de assassínios terroristas” em relação com os atentados de 13 de novembro em Paris.

A procuradoria informou ainda que o suspeito Osama K., detido na sexta-feira em Bruxelas (tal como Abrini) é “o segundo homem” que esteve em contacto com o bombista suicida do metro de Bruxelas durante os ataques de 22 de março e que foi acusado de “assassinatos terroristas”.