O terrorismo não vai parar a liberdade de expressão do «Charlie Hebdo» depois do massacre na redação que causou 12 mortos e 11 feridos. O jornal satírico vai continuar a ser publicado e sairá para as bancas já na próxima semana, segundo disse à AFP o editorialista Patrick Pelloux.

«A estupidez não vai ganhar», defende Pelloux, acrescentando ainda que os membros da redação que sobreviveram ao ataque irão encontrar-se muito em breve para preparar essa edição que irá para as bancas, como previsto, na próxima quarta-feira. Foram desbloqueados 500 mil euros para que o jornal satírico tenha condições de continuar a viver, dinheiro de editores de imprensa, bem como do Google.

 
Com uma tiragem habitual de 60 mil exemplares, a próxima edição será bem maior: um milhão de «CHarlie Hebdo», avaçou o advogado Richard Malka, citado pelo jornal «Le Figaro». Será um número com oito páginas, em vez das 16 que costumavam compor o jornal satírico. Este próximo exemplar terá a ajuda dos jornalistas do Canal+ e do «Le Monde» e a equipa será abrigada pelo «Libération».




Na entrevista que deu esta quinta-feira à estação de televisão iTelé, Patrick Pelloux mostrou-se bastante emocionado com a morte dos colegas.



Ele poderia ter sido também uma das vítimas, já que não participou naquela reunião porque teve outro compromisso à mesma hora.

«Por volta das 11:30, o meu telefone tocou». Jean-Luc, um designer gráfico, pedia para que ele fosse depressa para a redação, que «eles tinham disparado».

«Pensei que era uma brincadeira».


Patrick Pelloux pensava que os amigos tinham terminado a reunião mais cedo e queriam ir beber um «shot». 

A realidade era outra.

 Eles quereriam que continuasse. «Não vamos parar», disse. 

Horas após o massacre, o site do jornal satírico mostrava uma imagem que já se tinha tornado viral nas redes sociais: «JeSuisCharlie». No único link da página na Internet direciona para um pdf onde esta frase está traduzida em muitas línguas. À cabeça, em árabe.

A última edição do jornal satírico francês Charlie Hebdo está a ter um interesse especial para os colecionadores. No eBay apareceram sete exemplares a um preço elevado.