Quinze pessoas foram detidas em 12 operações antiterroristas realizadas na Bélgica esta quinta-feira, segundo a agência Reuters, que cita as autoridades belgas.

As autoridades encontraram ainda armas, explosivos e uniformes da polícia no apartamento dos dois suspeitos jihadistas que morreram durante as buscas, em Verviers, no leste do país.

Os investigadores belgas afirmam que o grupo extremista preparava ataques em esquadras da polícia.

O ministro dos Negócios Estrangeiros belga, Didier Reynder, garantiu que as operações antiterroristas «foram concluídas no terreno».
 

«As operações terminaram no terreno. Estamos agora a analisar os dados. Vamos ver se há outras iniciativas a tomar por parte da polícia ou das autoridades judiciárias», disse Reynders à estação francesa i-Télé.


Não há «nenhuma ligação estabelecida com os ataques na França», confirmou o ministro, referindo-se a uma «troca de informações que foi muito útil».

«Não há ligação entre os ataques em Paris e os programados na Bélgica, não (há ligação) entre os setores, mas há sempre uma aceleração das iniciativas em função da situação no terreno. Os ataques em Paris fizeram-nos acelerar as iniciativas no nosso território», concluiu.