«Um briefing fornecido hoje pelas agências de segurança indicou que tem havido um elevado nível de conversas de teor terrorista após o sequestro em Martin Place», afirmou, após uma reunião com o seu Comité de Segurança Nacional.

O autor do sequestro, Man Haron Monis, um iraniano de 50 anos a quem foi concedido asilo político na Austrália em 1996, foi uma das pessoas mortas, juntamente com dois reféns, quando a polícia irrompeu pelo café do centro de Sidney na terça-feira da semana passada para libertar 17 reféns.