Um norte-americano de 44 anos, membro da rede terrorista al-Qaeda, foi condenado quinta-feira a 20 anos de prisão, sendo considerado culpado de conspiração visando organizar atentados na Europa e Estados Unidos, indicou o ministério da Justiça norte-americano, refere a Lusa.

Christopher Paul, conhecido como Abdul Malek, foi condenado por um juiz federal do Ohio em virtude de um acordo alcançado com a justiça norte-americana, que aceitou abandonar as acusações de fornecimento e tentativa de fornecimento de equipamentos a terroristas.

Em troca, Paul deu-se como culpado por «conspiração destinada a utilizar armas de destruição em massa».

«A sua longa pena de prisão atesta da nossa determinação em proteger os norte-americanos contra o terrorismo», comentou um responsável do ministério da Justiça, Matthew Olsen, num comunicado.

Esta condenação põe fim «à longa carreira Christopher Paul, um homem originário do Ohio que se juntou à al-Qaeda no início dos anos 1990, que combateu no Afeganistão e na Bósnia Herzegovina e conspirou com outras pessoas contra alvos norte-americanos nos Estados Unidos e no estrangeiro», acrescentou Olsen.

Paul reconheceu ter ensinado em 1999 os membros de uma célula terrorista islamita na Alemanha a utilizar explosivos.

Este grupo pretendia fabricar bombas para atacar interesses norte-americanos no estrangeiro e em solo norte-americano, segundo o ministério da Justiça.