Uma mulher grávida e desesperada escreveu ao Papa em julho. Nem queria acreditar quando recebeu um telefonema e, do outro lado da linha, estava Francisco, o Papa.

O «Il Messagero» conta que Anna Romano, 35 anos, ficou estupefacta. Uma mão no telefone, a outra a massajar a barriga enquanto o Papa a convencia a não abortar. E foi bem sucedido.

Quando escreveu a Francisco, Anna não sabia o que fazer. Divorciada e grávida de um homem casado que queria que ela abortasse, não via como podia criar o filho sozinha. Depois das palavras do Papa, a mulher italiana tomou uma decisão: não vai abortar e vai mesmo levar a gravidez até ao fim.

Mais, Anna Romano já disse que se nascer um menino se vai chamar Francisco.

E este Francisco talvez não tenha um pai, mas pode vir a ter um padrinho famoso. É que o Papa ofereceu-se para ser o padrinho.