O psicólogo moldavo Aleksandr Kogan, investigador da Universidade de Cambridge que criou a aplicação thisisyourdigitallife (“esta é sua vida digital”, em português) que está no centro da polémica da usurpação de dados envolvendo o Facebook, acusa a rede de Mark Zuckerberg de querer fazer dele “um bode expiatório”. Em entrevistas à CNN e à BBC, Aleksandr Kogan assegura que sempre agiu dentro da legalidade.

À BBC, Kogan confirma que cooperou com a Cambridge Analytica, mas garante que não fazia ideia que a aplicação e os dados recolhidos seriam usados na campanha eleitoral de Donald Trump. Aleksandr Kogan diz que a intenção era que os dados fosse usados para analisar o comportamento humano através da utilização das redes sociais.

Já o Facebook acusa o investigador de violar as políticas de privacidade da rede social. Kogan diz-se “chocado” com as acusações.

Os eventos dos últimos dias foram um autêntico murro no estômago. O que eu penso é que estou a ser usado como bode expiatório pelo Facebook e pela Cambridge Analytics, quando… pensávamos que estávamos a fazer algo perfeitamente normal. Foi-nos garantido pela Cambridge Analytics de que tudo seria feito dentro da maior legalidade e dentro dos termos de serviço.”

Ainda na entrevista à BBC, Kogan diz que seguiu sempre as orientações da Cambridge Analytica e que nunca teve “razões para duvidar”que estaria a violar qualquer política do Facebook.

O meu grande erro foi não ter feito perguntas suficientes.”

Numa outra entrevista, desta feita à CNN, Kogan disse que os colaborqadores da Cambridge Analytica com quem contactou lhe asseguraram que estavam todos a agir dentro das normas impostas pelo Facebook.

À CNN, Aleksandr Kogan reconheceu que, em 2014, recolheu dados de 30 milhões de americanos e que os entregou à Cambridge Analytica, que viria mais tarde a trabalhar com a campanha de Donald Trump.

Quando, em 2015, o Facebook soube do uso dos dados, pediu que fossem apagados, justificando que a venda ou transferência dos mesmos ia contra a política de privacidade da rede social.

Kogan disse ainda à CNN que suspeita que milhares de outros investigadores usaram métodos semelhantes ao seu para recolher dados dos utilizadores do Facebook.

Quem é Aleksandr Kogan?

Aleksandr Kogan tem 32 anos. Nasceu na Moldávia e viveu em Moscovo até aos sete anos, altura em que se mudou para os Estados Unidos. Estudou na Universidade da Califórnia e em Hong Kong, antes de entrar para a Universidade de Cambridge como investigador na área da psicologia e da psicometria.

De acordo com o jornal Observer, Kogan terá também tido ligações a uma universidade russa, onde desempenhou as funções de professor e de investigador na área das redes sociais.

Este dado até agora não revelado está a levantar dúvidas, depois da polémica sobre a usurpação de dados, por causa das alegadas influências russas na eleição de Donald Trump e, sobretudo, também por causa de supostas ligações da Cambridge Analytica a uma empresa russa com ligações ao Kremlin. Parece, aparentemente, ajudar a compor uma espécie de teia de ligação que vai sempre parar aos mesmos protagonistas.

Aleksandr Kogan é proprietário de uma empresa, a Global Science Research (que está por detrás da aplicação thisisyourdigitallife). O agora investigador da Universidade de Cambridge desenvolveu o teste de personalidade para o Facebook, que terá levado à colecta de dados de 270 mil utilizadores e dos amigos desses utilizadores na rede social. Uma base de dados que pode ascender a 50 milhões de pessoas.