A Microsoft surpreendeu tudo e todos ao anunciar uma parceria com a startup Kind Financial, para ajudar os governos estaduais norte-americanos a acompanhar a comercialização da marijuana.

A gigante tecnológica vai trabalhar diretamente com a divisão de "soluções governativas" da Kind. O software será incluído no negócio da cloud da Microsoft e destina-se a ajudar os Estados, onde o uso de marijuana para fins medicinais ou recreativos é legal, a monitorizarem a comercialização da droga. 

O anúncio da parceria surge numa altura em que mais cinco Estados norte-americanos, incluindo a Califórnia, deverão legalizar a marijuana. De acordo com o jornal New York Times, a entrada da Microsoft neste mercado supõe "o início de uma infraestrutura legítima" para uma indústria que tem crescido rapidamente em anos recentes.

Atualmente, existem 25 Estados no país que, de uma maneira ou outra, já regulamentaram o uso ou a posse de canábis. Contudo, a droga apenas é totalmente legal em Washington, Oregon, Colorado e Alaska.

Para os analistas, o Estado da Califórnia pode vir a mudar o jogo da comercialização legal da canábis. Se os californianos aprovarem o uso para fins medicinais e recreativos no outono, estima-se que as vendas possam chegar a uns impressionantes 25 mil milhões de dólares, aproximadamente 22 mil milhões de euros, já em 2020. No ano passado, os números ultrapassaram os 4 mil milhões de euros. 

A Microsoft acaba por garantir uma posição privilegiada na eventual abertura deste mercado na Califórnia, dado que a Kind está situada em Los Angeles. De resto, esta foi uma semana em cheio para a gigante informática, depois de ter anunciado a compra da rede social profissional LinkedIn na segunda-feira.