Pelo menos 10 pessoas ficaram feridas, num novo ataque suicida, em Surabaya, na Indonésia, perpetrado esta manhã perto de uma esquadra da polícia, disseram as autoridades indonésias.

Seis civis e quatro agentes da polícia ficaram feridos no atentado, perpetrado através de uma moto armadilhada, conduzida por um homem e na qual seguia também uma mulher, disse o porta-voz da polícia, Frans Barung Mangera.

O responsável contou, citando imagens de videovigilância, que um homem e uma mulher, numa moto, pararam no posto de controlo da base e que "foi nesse momento que a explosão se deu".

Estavam duas pessoas na moto, uma das quais era uma mulher e estava atrás", acrescentou.

A cidade do leste da ilha de Java, segunda cidade do país, foi palco no domingo de três atentados suicidas, reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Estes três ataques causaram 14 mortos e dezenas de feridos, de acordo com um novo balanço da agência noticiosa France Presse.

Os ataques de domingo são os mais mortíferos na Indonésia desde os atentados de 2005 em Bali, nos quais morreram 20 pessoas e mais de 100 ficaram feridas.

A província de Java oriental é um dos palcos de ataques de movimentos extremistas islâmicos, já que a sua capital, Surabaya, é uma das cidades com maior diversidade religiosa naquele que é o mais populoso país muçulmano do mundo.

Os cristãos, muitos deles da etnia minoritária chinesa, representam cerca de 9% da população da Indonésia, que atinge 260 milhões de habitantes, enquanto os muçulmanos são 88% do total.

A Indonésia declarou alerta máximo nas semanas anteriores ao Ramadão (período de jejum diurno observado pelos muçulmanos), que começa na terça-feira, por ser uma época escolhida por grupos extremistas islâmicas para realizar ataques.

Guterres condena ataques

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou os ataques suicidas em três igrejas de Surabaya, na Indonésia, que causaram no domingo pelo menos 11 mortos e mais de 40 feridos.

Num comunicado emitido pelo porta-voz, Stéphane Dujarric, Guterres disse "estar chocado" com o uso de crianças nas ações, depois das autoridades da Indonésia terem afirmado que os atacantes eram todos da mesma família e entre eles estavam crianças e adolescentes.

Os atentados registaram-se em Surabaya, com o primeiro ataque a ocorrer na igreja cristã de Santa Maria, onde morreram quatro pessoas, incluindo um dos bombistas suicidas, disse aos jornalistas, o porta-voz da polícia local Frans Barung Mangera.

O pai fez explodir um carro armadilhado, dois filhos, de 18 e 16 anos, usaram uma moto num dos ataques, enquanto a mãe estava com duas crianças de 12 e 9 anos na terceira igreja.

O secretário-geral da ONU enviou uma mensagem de condolência às famílias das vítimas mortais e desejou uma recuperação rápida aos feridos.

António Guterres reiterou ainda o “apoio das Nações Unidas ao Governo e ao povo da Indonésia nos esforços para combater e prevenir o terrorismo e o extremismo violento, que incluem a promoção do pluralismo, da moderação e da tolerância”.