O Supremo Tribunal do Bangladesh confirmou esta terça-feira a condenação à morte de um líder islâmico, que deverá ser executado dentro de meses por crimes de guerra durante a luta pela independência em 1971 contra o Paquistão.

Considerado como um dos arquitetos do massacre dos intelectuais durante esse período, Ali Ahsan Mohammad Mujahid, de 67 anos, é o secretário-geral do partido Jamaat-e-Islami, o maior partido islâmico do país.

“A sua condenação à pena de morte foi confirmada”, disse à AFP o procurador Soumya Reza, indicando que o homem pode ser enforcado dentro de alguns meses, caso não seja apresentado um novo recurso ou beneficie de um perdão presidencial.