Investigadores da Academia de Sahlgrenska em Gotemburgo descobriram que os suplementos com antioxidantes podem acelerar o desenvolvimento de cancro. Segundo o estudo, estes medicamentos podem ainda estimular o crescimento de células cancerígenas e tornam-no mais invasivo.

Publicada na revista norte-americana “Science Translational Medicine”, a investigação revela que os antioxidantes, presentes em alguns suplementos nutricionais, duplicaram o ritmo a que o melanoma maligno - a forma mais grave de cancro de pele – se espalhou para os gânglios linfáticos de ratos usados no estudo. Quando repetida a experiência em células humanas desenvolvidas em laboratório, os cientistas descobriram que as células cancerosas se multiplicavam em pele com antioxidantes.

Apesar de ainda serem necessários mais estudos para confirmar as descobertas, os cientistas desaconselham a toma de antioxidantes a todas as pessoas com cancro ou com maior risco de desenvolver a doença.

Estudos anteriores mostravam que os pacientes que tomavam suplementos de vitamina E tinham maior risco de ter cancro da próstata e que os antioxidantes estavam ligados ao desenvolvimento de tumores nos pulmões quer em ratos quer em células humanas. No entanto, o estudo agora divulgado é o primeiro a demonstrar os efeitos nocivos que alguns antioxidantes podem causar em melanomas e metástases que se desenvolvem a um ritmo rápido.

Martin Bergö, o professor do Centro de Cancro Sahlgrenska da Universidade de Gotemburgo, que liderou o estudo, relembrou que as pesquisas apenas tiveram em conta suplementos nutricionais e que as pessoas devem continuar a sentir-se confortáveis para comer alimentos ricos em antioxidantes.

Segundo o professor, as pessoas que tiveram cancro ou que têm um risco alto de o desenvolver (fumadores ou familiares com historial de cancro) devem evitar os suplementos nutricionais que contenham antioxidantes.

“Não há estudos conclusivos que mostrem que os suplementos antioxidantes são benéficos para eles e há uma crescente evidência de que podem ser prejudiciais. Os antioxidantes não causam cancro, mas se já existirem pequenos tumores pode acelerar o processo. Simplesmente, os antioxidantes ajudam quer as células saudáveis quer as cancerígenas”.


Além dos suplementos, os investigadores estão também preocupados com a utilização de protetores solares que contêm vitamina "E" e betacarotenos.