A polícia sueca deteve, esta quinta-feira, preventivamente, uma mulher de 59 anos suspeita de manter em cativeiro as três filhas durante 10 anos. A mulher e as filhas, atualmente todas com mais de 18 anos, foram interrogadas por investigadores numa esquadra da polícia na cidade de Kristianstad, no sul do país. A mulher nega os factos. O Ministério Público decide esta sexta-feira se mantém a prisão preventiva.

As autoridades suecas suspeitam que a mulher «restringiu a liberdade das filhas durante vários anos», referiu a porta-voz da polícia, Ewa-Gun Westford, em declarações à AFP.

De acordo com o tabloide sueco «Expressen», as três crianças, atualmente jovens adultas, viveram trancadas num apartamento durante mais de uma década.
 

O tabloide sueco «Expressen» noticiou que uma das jovens conseguiu por breves instantes sair do apartamento em Bromolla, no Sul do país, e convencer um vizinho a chamar a polícia.

«As persianas estavam sempre em baixo e não ouvíamos nenhum som do apartamento», afirmou um vizinho em declarações ao jornal.


Polícia à saída do apartamento em Bromolla (Foto: Twitter)

O apartamento foi alvo de buscas e foi selado pela polícia.
 
O «Expressen» referiu ainda que a mulher terá mudado a localização das crianças por diversas vezes, de forma a manter as filhas longe do pai.