Um dia depois de um tribunal ter anulado a sentença de morte a que fora condenada em maio e a ter libertado, a jovem sudanesa Meriam Yahia Ibrahim Ishag, de 26 anos, voltou a ser detida quando tentava sair do Sudão com destino aos EUA. Meriam Yahia Ibrahim Ishag foi detida, esta terça-feira, no aeroporto de Cartum, na companhia do marido e dos filhos.

O tribunal sudanês condenou Meriam à pena de morte com a acusação de apostasia e adultério (apostasia por renunciar à religião islâmica e adultério por estar casada com um cristão). O caso provocou a indignação de organizações de defesa dos direitos humanos a nível internacional e, na segunda-feira, acabou por ser libertada.

Meriam Yahia Ibrahim Ishag estava na prisão desde Janeiro com o filho de 20 meses e grávida. Doze dias após a sentença, deu à luz na enfermaria da prisão. De acordo com a Amnistia Internacional, esteve acorrentada pelos tornozelos durante o parto, tal como durante o período de detenção.

De acordo com a BBC e a AFP, Meriam e o marido Daniel Wadi foram detidos por forças de segurança, não se sabendo o que aconteceu aos dois filhos. As razões para a detenção não foram ainda avançadas.