Há mais de mil europeus desaparecidos no Nepal. Turistas na sua grande maioria. O número foi avançado esta sexta-feira por Rensje Teerink, chefe da delegação da União Europeia no país, escreve a agência Reuters. O valor apurado refere-se apenas a cidadãos de países da União Europeia. A mesma fonte acrescentou ainda que até ao momento, estão confirmadas 12 vítimas mortais com passaporte da EU.

Este é o primeiro balanço oficial a revelar os números da tragédia em relação aos cidadãos europeus que estavam no Nepal, na altura do forte sismo. O número oficial de mortos já ultrapassa os seis mil. As autoridades nepalesas também já contabilizaram 13.932 feridos.

“Não sabemos onde estão, nem onde podem estar”, afirmou Rensje Teerink aos jornalistas, durante uma conferência de imprensa esta sexta-feira, no Nepal.


Quanto às vítimas mortais, até ao momento, há 12 óbitos confirmados.

A grande maioria dos desparecidos “são turistas” e estavam nas áreas de “Langtang e Lukla”, acrescentou a mesma fonte.

Langtang é uma região a norte de Kathmandu eleita pelos apaixonados por caminha. A zona foi duramente atingida por uma avalanche e diversos deslizamentos de terra após o sismo. Já Lukla é ponto obrigatório de passagem para todos os alpinistas que rumam ao Evarest.