O número de mortos causados pelo forte sismo de quinta-feira à noite no México subiu para 64, quando as autoridades dão por terminadas as operações de buscas, indicam as agências noticiosas AP e AFP.

O estado de Oaxaca foi onde houve mais mortos: 45. O estado fronteiriço de Chiapas registou 15 vítimas mortais, além de outras quatro em Tabasco.

Em Chiapas mil casas foram destruídas e cerca de cinco mil ficaram danificadas.

O presidente do México, Enrique Peña Nieto, que este sábado se deslocou a Juchitán, em Oaxaca, uma das zonas mais afetadas pelo abalo, decretou três dias de luto nacional “pelas pessoas que morreram devido ao impacto deste sismo”.

O forte sismo de magnitude 8,2 que abalou a costa sul do México na madrugada de sexta-feira é o mais forte dos últimos 100 anos naquele país.

O abalo afetou a rede elétrica mexicana e levou ao corte de eletricidade em cerca de um milhão e 500 mil casas.

Após o terramoto, registaram-se dezenas de réplicas com magnitudes entre os 5,4 e os 5,7.

Nas redes sociais foram partilhados vídeos que registaram o momento em que a Terra tremeu. Um dos clips mostra o Anjo da Independência, um monumento icónico da Cidade do México, a abanar.

O momento em que o sismo sacudiu o país foi transmitido em direto por um canal de televisão.