O presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinou, este sábado, um decreto que impõe sanções económicas contra a Turquia, medidas aprovadas na sequência do abate de um avião militar russo na fronteira entre a Turquia e Síria, que causou a morte a um soldado.

Como escreve a agência Reuters, que cita o site oficial do Kremlin, já a partir de 1 de janeiro, o Kremlin vai limitar a importação de alguns produtos turcos, a venda de viagens para a Turquia, operações de empresas turcas na Rússia e a contratação de cidadãos desta nacionalidade em companhias russas.

Fonte oficial da Turquia, que preferiu manter o anonimato, disse à Reuters que estas sanções só vêm piorar a situação.

“Sanções como estas apenas danificam as relações. Estes passos não tornam nada mais fácil, aliás, aprofundam o problema”.


Também este sábado, a Turquia passou a aconselhar a sua população a adiar todas as viagens não urgentes para a Rússia. Em comunicado o Ministério turco das Relações Exteriores sublinhou que os turcos devem adiar as viagens até “que a situação seja clarificada”. 

Recorde-se que esta quinta-feira o Presidente turco, Recep Erdogan, garantiu que a Rússia  não vai ter um pedido de desculpas.

As tensões têm aumentado entre os dois países, com cada um a acusar o outro de apoiar o Estado Islâmico. A Turquia afirma que a Rússia não está a contar toda a verdade sobre o incidente e Moscovo já garantiu, depois do ataque, que vai enviar sistemas antimísseis para a Síria.