Os ataques contra hospitais e os cercos que provocaram fome em Aleppo, no norte da Síria, constituem crimes de guerra e os seus autores devem ser levados à justiça, afirmaram esta quarta-feira altos responsáveis das Nações Unidas.

Os 15 membros do Conselho de Segurança da ONU reuniram-se para discutir a situação de Aleppo, cidade devastada pelos combates entre o regime sírio e os rebeldes, para onde os Estados Unidos e a Rússia negociaram hoje uma trégua de dois dias.

“Vou ser absolutamente claro, mais uma vez: os ataques deliberados e diretos contra hospitais são crimes de guerra”, afirmou o secretário-geral adjunto da ONU para os Assuntos Políticos, Jeffrey Feltman.

Ataques aéreos atingiram um hospital de Aleppo, na Síria, a 28 de abril, provocando pelo menos 20 mortos. Entre as vítimas estão três crianças e o último pediatra daquela cidade síria nas mãos dos rebeldes. 

O ataque matou ainda outros dois médicos, de acordo com Observatório de Direitos Humanos, uma organização não-governamental com sede em Londres.