O exército sírio descobriu na sexta-feira, em Palmira, uma vala comum com corpos de 42 civis e soldados executados pelos jihadistas do Estado Islâmico, disse fonte militar, citada pela AFP, neste sábado.

Segundo a mesma fonte, entre os mortos estão oficiais, soldados, membros do comité popular (pró-regime de Damasco) e seus familiares.

"Foram executados a tiro ou decapitados", precisou a fonte, acrescentando que entre as vítimas estão 24 civis, incluindo três crianças, e 18 militares.

Na segunda-feira, o exército sírio, apoiado pelas forças especiais russas, reconquistou a cidade histórica de Palmira, que os jihadistas haviam invadido e destruído em maio de 2015.

Durante os quase 10 meses de ocupação de Palmira, os jihadistas executaram pelo menos 280 pessoas, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Palmira é conhecida pelos seus tesouros arqueológicos, parte dos quais foram deliberadamente destruídos pelo Estado Islâmico.

O conflito na Síria já causou a morte a mais de 270 mil pessoas desde março de 2011.