Inúmeras armas enviadas pela CIA e pela Arábia Saudita para a Jordânia, destinadas aos rebeldes sírios, foram roubadas e vendidas no mercado negro por agentes jordanos, revela uma investigação conjunta do The New York Times e Al Jazeera.

O roubo e a revenda de armas, incluindo 'Kalashnikov', morteiros e granadas, deram lugar a uma avalancha de novas armas no mercado negro, segundo informaram funcionários norte-americanos e jordanos, aos dois órgãos de comunicação social.

Algumas das armas roubadas por agentes dos serviços secretos jordanos foram utilizadas num tiroteio, ocorrido em novembro, em que cinco pessoas, incluindo dois norte-americanos, morreram num centro de formação da polícia de Amã, segundo fontes citadas na investigação divulgada este domingo.