O primeiro voo da TAP entre Lisboa e Bissau, depois de a companhia suspender as ligações diretas entre os dois países, chegou este domingo à capital guineense às 04:20 com vários passageiros queixosos, como relataram à agência Lusa.

Autoridades da Guiné-Bissau forçaram a tripulação do voo de terça-feira a levar para Portugal 74 pessoas com passaportes falsos, o que provocou um incidente diplomático e a suspensão da rota.

Como alternativa, a TAP levou no sábado os passageiros até Dacar e fretou um avião à Air Senegal para fazer o resto do percurso, cumprindo o circuito inverso para quem tiver como destino Lisboa.

Ramon Sarró saiu do aeroporto Osvaldo Vieira, em Bissau, já passava das 05:00, com as malas ao lado, mas sem a esposa: viajaram juntos de Lisboa até Dakar, mas depois, e ao contrário do previsto, só um tinha lugar no avião da Air Senegal. O passageiro aponta o dedo à TAP, que acusa de ter um comportamento «muito incorreto» por não ter informado os passageiros. Ramon espera agora que a esposa consiga lugar no voo de terça-feira de madrugada, de Dakar para Bissau.

Para quem saiu de outros pontos do mundo, os problemas já duram há vários dias, como acontece com Luísa Jaude: partiu de Londres, Inglaterra, na quarta-feira e só na madrugada de domingo chegou à Guiné-Bissau, no que classifica como uma má experiência.