O hospital principal da cidade de São Tomé vai ter um centro de hemodiálise.

De acordo com uma fonte oficial, citada pela agência Lusa, o centro vai ser construído no hospital Aires de Menezes com o financiamento da cooperação portuguesa.

A ministra são-tomense da Saúde participou esta quinta-feira na cerimónia de apresentação do protótipo de construção, juntamente com a embaixadora de Portugal na capital.

Ângela Pinheiro afirmou que o futuro centro de hemodiálise terá uma capacidade de tratamento de 20 doentes em cada sessão, sendo que as sessões são realizadas três vezes por dia.

Segundo a Lusa, a ministra adiantou ainda que as obras deverão arrancar já em 2013 e que não serão revelados os custos. Para antes está previsto um encontro na capital são-tomense entre técnicos nacionais e técnicos do Hospital de S. João do Porto, encarregados da formação dos quadros são-tomenses para trabalhar no centro.

Para a embaixadora de Portugal, a construção de um centro de hemodiálise no hospital Aires de Menezes «é uma parceria importante, na medida em que assegura as necessidades de São Tomé e Príncipe e aprofunda e estreita o relacionamento» entre os dois países, disse à Lusa.

São Tomé e Príncipe tem, atualmente, mais de 80 doentes em tratamento de hemodiálise em Portugal, o que implica custos elevados para os dois países.

O futuro centro de hemodiálise é considerado pela ministra são-tomense da Saúde como um «instrumento que vai trazer vários benefícios para o Governo e para os pacientes» e que pode vir a ser também uma referência para os países da região do Golfo da Guiné.