O Estado islâmico assumiu, este sábado, a sua ligação ao ataque que matou 14 pessoas, na passada quarta-feira, em São Bernardino, Califórnia, nos Estados Unidos, avança a Reuters.

Através de uma mensagem de rádio, o grupo extremista, confirmou que ataque foi realizado por apoiantes e denominou-os como mártires. Recorde-se que o FBI já tinha admitido que estava a investigar o incidente como um “ato de terrorismo”.
 

“Dois seguidores do Estado islâmico atacaram, há alguns dias, um centro em São Bernardino, na Califórnia. Abriram fogo dentro do centro, matando 14 pessoas e ferindo mais 20”, ouviu-se numa transmissão diária da rádio al-Bayan


Até ao momento, nenhuma autoridade oficial se pronunciou sobre este novo desenvolvimento relacionado com o ataque.

Barack Obama diz que Estados Unidos não ficarão aterrorizados

Já este sábado o Presidente norte-americano, Barack Obama, declarou que os Estados Unidos “não ficarão aterrorizados” e renovou o seu apelo por mais medidas apertadas de controlo de armas. Obama prometeu que as investigações sobre o caso “vão até ao fundo” de como e porque tal aconteceu.

Recorde-se que Tashfeen Malik e Syed Farook irromperam na quarta-feira numa festa de final de ano em San Bernardino, no Estado da Califórnia, e abriram fogo na sala que estava cheia de colegas de trabalho de Syed Farook.