Sant Sadurní D'anoia tem cerca de 13 mil habitantes, fica a 50 minutos de Barcelona, no interior e é terra conhecida pela produção do Cava, um vinho espumante certificado pelo método tradicional da Catalunha. E foi nessa pacata terra que Younes Abouyaaquoub, o marroquino de 22 anos, procurado por todo o lado, como provável condutor do atentado de quinta-feira, foi detetado.

Os jornais catalães deram conta que terá sido uma mulher de Sant Sadurní D'anoia a dar o alerta para a presença de um estranho a rondar umas casas na localidade. Segundo conta o La Vanguardia, cerca da uma hora da tarde, a senhora intrigou-se e inquiriu o desconhecido, que fugiu pelo meio de uns vinhedos.

Pouco depois, o chefe da polícia catalã confirmou a fonte de informação que levou à captura de Younes Abouyaaquoub.

Duas fontes de informação alertaram-nos para a presença de Younes. Uma fonte policial em Sant Sadurní d'Anoia e outra que era uma residente que assegurou ter amplos conhecimentos de fisionomia e que não duvidava de o ter visto na zona", relatou Josep Lluís Trapero.

Alertada pela divulgação da foto de Younes Abouyaaquoub, procurado desde quinta-feira passada, a mulher apercebeu-se das semelhanças e contatou a polícia.

Operação conclusiva

A polícia catalã - os "Mossos d'Esquadra" - iniciou uma operação de caça ao homem, que teve o seu desfecho em Subirats, outra localidade na comarca de Alt Penedès.

Younes Abouyaaquoub foi assim localizado e abatido. A polícia perseguia-o desde os atentados de quinta-feira, considerando que pertenceria a uma célula radical islâmica de jovens, residentes na cidade catalã de Ripoll.

Com o avançar das investigações, marcadas por muitas informações contraditórias entre as várias autoridades catalãs, policiais, judiciais e políticas, chegou-se à tese de que Younes Abouyaaquoub teria conduzido a carrinha que atropelou dezenas de pessoas na Rambla de Barcelona.

Fugiu depois a pé e terá assassinado à facada Pablo Pérez - a 15.ª vítima dos atentados - roubando-lhe o carro. Viviam-se as horas terríveis após o atentado na Rambla e o carro que Younes conduziria atropelou uma patrulha da polícia que disparou contra a viatura numa das maiores avenidas de Barcelona, a Diagonal.

O carro seria encontrado em Sant Just Desven, nos arredores de Barcelona. Com um cadáver na mala. Esfaqueado. A polícia catalã, na quinta-feira, ainda numa fase embrionária da investigação, acabou por não relacionar o episódio com o atentado ocorrido na Rambla.

Cinto de explosivos

Na tarde desta segunda-feira, Younes Abouyaaquoub foi finalmente localizado, após ter sido identiticado por uma mulher em Sant Sadurní D'anoia. Perto, em Subirats - ao quilómetro 16,5 da estrada municipal C-243B, segundo relata o jornal El Mundo - foi intercetado e baleado pela polícia.

Dois agentes viram uma pessoa agachada entre as vinhas em Subirats e deram-lhe ordem para parar. Vestia uma camisa e dentro um cinturão de explosivos, que afinal era falso", relatou o major da polícia, Josep Lluís Trapero.

Sem saber se o cinto de explosivos era real ou falso, os policias atiraram a matar.

Younes gritou "Alá é grande!" Os mossos (agentes) viram que tinha um cinto que podia ser de explosivos e usaram as suas pistolas", confirmou o chefe da polícia.

Depois, os serviços de segurança catalães tiveram de recorrer a um robô para se aproximar primeiro do corpo e verificar.

Mais tarde, a polícia confirmou que o homem abatido era mesmo Younes Abouyaaquoub. O mais procurado.

Fizeram-se provas de impressões digitais e com a foto do NIE [Número de Identidade de Estrangeiro] confirmou-se que era Younes Abouyaaqoub sem quaisquer dúvidas", afirmou o chefe da polícia.

Agradecimento à moradora 

Através da rede Twitter, que têm usado constantemente para difundir todo o tipo de informações, os "mossos d'esquadra" - a polícia catalã - fizeram questão de agradecer publicamente à mulher de Sant Sadurní D'anoia que lhes deu as pistas necessárias para encontrar o mais procurado dos suspeitos dos atentados na Catalunha.