O Presidente norte-americano, Barack Obama, disse que as novas sanções internacionais que poderão ser impostas à Rússia visam travar as suas «provocações» no leste da Ucrânia.

Primeiro-ministro da Ucrânia diz que há reféns a serem usados como escudos humanos

«É importante para nós dar passos mais largos enviando uma mensagem para a Rússia de que este tipo de atividades de desestabilização que estão a ocorrer na Ucrânia tem de parar», afirmou Obama numa conferência de imprensa na Malásia.

Obama acusou a Rússia de não ter «levantado um dedo» para ajudar a solucionar a crise dos rebeldes pró-russos no Leste da Ucrânia.

EUA preocupados com movimentações militares da Rússia

Por sua vez, o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, telefonou aos líderes da Hungria e da República Checa para reiterar o apoio de Washington relativamente ao acordo de defesa coletiva da NATO, informou a Casa Branca.

Joe Biden também abordou a crise na Ucrânia com os primeiros-ministros da República Checa e da Hungria, respetivamente, Bohuslav Sobotka e Viktor Orban, indicou em comunicados, citados pela agência AFP.

Na sua conversa com Bohuslav Sobotka, Joe Biden «sublinhou o férreo compromisso dos Estados Unidos para com a defesa coletiva da NATO ao abrigo do artigo 5.º», tendo proferido idênticas declarações durante a chamada que manteve com Viktor Orban.