O tribunal de Bruxelas encarregado de julgar Salah Abdeslam pela sua implicação num tiroteio com a polícia a 15 de março de 2016 na capital belga anunciou esta quinta-feira que anunciará a sentença a 23 de abril.

O único sobrevivente da célula terrorista que realizou os atentados de Paris em 13 de novembro de 2015, que fizeram 130 mortos, compareceu no tribunal em fevereiro.

No primeiro dia do julgamento, a 5 de fevereiro, recusou-se a prestar declarações, afirmando só confiar no seu deus "Alá", e no segundo dia não apareceu.

O suspeito, francês de origem marroquina de 28 anos, era julgado com um presumível cúmplice, um extremista islâmico tunisino de 24 anos, Sofiane Ayari, por causa de um ataque a tiro contra a polícia belga ocorrido três dias antes de ter sido capturado, em março de 2016.

No tiroteio, três polícias ficaram feridos e um terceiro cúmplice – Mohamed Belkaid – foi morto durante a troca de tiros que permitiu que Abdeslam fugisse, em março de 2016.

O Ministério Público belga pediu a condenação a 20 anos de prisão, com cumprimento efetivo de dois terços.

Abdeslam também se tem recusado a colaborar com as autoridades em França, onde se encontra detido para ser julgado pelo seu envolvimento nos mais mortíferos atentados cometidos em Paris, em 13 de novembro de 2015, que provocaram 130 mortos.