O Supremo Tribunal da Mordóvia, república da Federação da Rússia, rejeitou esta sexta-feira o pedido de liberdade condicional de um dos elementos das Pussy Riot.

A detida, Nadezhda Tolokonnikova vai ter de cumprir assim da pena a que foi sentenciada, de dois anos, aplicada depois do julgamento em agosto do ano passado, segundo avança a agência RIA Novosti.

Esta é uma das três mulheres que cantou uma canção contra o atual presidente da Rússia, Vladimir Putin, num templo ortodoxo.