Sergei Lavrov, ministro dos Negócios Estrangeiros russo, afirmou este sábado que as sanções aplicadas pelo Ocidente à Rússia, devido ao conflito na Ucrânia, pretendem provocar «mudança de regime» no país, e não a alteração das políticas do Kremlin.

«O ocidente mostra claramente que não se trata de tentar mudar a política da Federação Russa, o que em sim é ilusório, mas de mudar o regime», afirmou o ministro numa reunião do Conselho de Política Exterior e de Defesa, em Moscovo.

Lavrov explicou que, anteriormente, as sanções contra os países eram aplicadas de modo a «não prejudicar o âmbito social e a economia, mas a afetar a elite de forma seletiva».

As declarações do chanceler russo intensificaram a guerra de palavras entre Moscovo e os Estados Unidos e a União Europeia, nesta que é a pior crise diplomática desde o final da Guerra Fria.

«Agora, figuras públicas dos países ocidentais dizem que há uma necessidade de impor sanções que irão destruir a economia e causar protestos públicos», disse Lavrov.

Declarações que se seguem ao discurso de quinta-feira do presidente Vladimir Putin no qual defendeu que Moscovo se deve proteger contra uma «revolução colorida» na Rússia, em referência aos protestos que derrubaram líderes em outras ex-repúblicas soviéticas.