O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, criticou as Nações Unidas, afirmando que a organização era “estúpida” por se opor à guerra contra as drogas que até à data terá causado mais de mil mortes.

Duterte, que ganhou com larga maioria as eleições presidenciais de maio, garantiu que continuará a sua campanha radical para erradicar os estupefacientes, apesar das críticas da ONU.

“Porque é tão fácil para as Nações Unidas interferir nos assuntos da república (filipina)? São só 1.000 mortos", disse na noite de quarta-feira Duterte, num discurso a propósito do 115.º aniversário da polícia do país.

Na segunda-feira, Duterte anunciou um forte aumento para o orçamento nacional do próximo ano para financiar a sua guerra controversa contra o crime. Um orçamento de 3,35 biliões de pesos (72,3 mil milhões de dólares) para 2017, uma subida de 11,6% em relação a este ano.

Segundo disse o Presidente filipino, o aumento das despesas públicas pretende “tornar mais eficaz a repressão do crime”

Com o advogado Rodrigo Duerte, que tomou posse como presidente em maio, as Filipinas têm realizado uma verdadeira cruzada contra o tráfico de droga.

Organizações de direitos humanos referem que, desde maio, mais de mil pessoas foram executadas. Exigem mesmo uma tomada de posição por parte das Nações Unidas, organização que o presidente Duterte parece ter em muito pouca conta.