A Força Aérea sul-coreana respondeu ao lançamento do míssil norte-coreano sobre o Japão com oito bombas MK 84, lançadas por quatro aviões F-15K, que atingiram um alvo simulado, na província de Gangwon, no norte da Coreia do Sul.

Seul divulgou imagens do lançamento simulado e garantiu que este míssil tem capacidade para atingir qualquer parte da Coreia do Norte.

Uma bomba MK 84 pesa cerca de 910 quilos e serve para penetrar alvos que estejam mais protegidos.

Um funcionário do Ministério da Defesa da Coreia do Sul disse à CNN que as oito bombas atingiram o alvo.

O exercício reconfirmou a capacidade da Força Aérea sul-coreana para destruir a liderança do inimigo em caso de emergência."

Numa conferência de imprensa, o porta-voz da presidência sul-coreana, Yoon Young-chan, explicou que o líder da Coreia do Sul, Monn Jae-in, queria “mostrar uma forte capacidade de punição contra o Norte”.

Estamos totalmente prontos para combater qualquer ameaça da Coreia do Norte e faremos esforços inabaláveis para proteger a vida do nosso povo e a segurança da nossa nação”, reforçou também o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros sul-coreano, Cho June-hyuck, segundo a CNN.

A Coreia do Sul divulgou também imagens raras de testes, realizados no dia 24 de agosto, com novos mísseis balísticos.

De acordo com a Agência de Desenvolvimento da Defesa, os novos mísseis têm 500 e 800 quilómetros de alcance. Nas imagens divulgadas, os projéteis atingem com precisão alvos simulados no chão e na água.

Os mísseis mais recentes serão os elementos centrais no sistema preventivo de ataque e no esquema de punição e retaliação da Coreia do Sul, como explica a Agência de Desenvolvimento da Defesa, de acordo com a agência de notícias sul-coreana Yonhap News.

Os nossos exércitos têm mísseis com precisão e potência de alto nível para atacar qualquer lugar da Coreia do Norte, se for necessário."

O lançamento das oito bombas e a divulgação das imagens dos novos mísseis surgem depois de, esta terça-feira, o presidente sul-coreano Moon Jae-in ter ordenado aos seus militares que mostrassem a “capacidade esmagadora” da Coreia do Sul para atacar o país de Kim Jong-un. A demonstração de força acontece em consequência do lançamento do míssil balístico norte-coreano que sobrevoou o Japão.