Uma mulher de 40 anos é a última vítima de um tigre, que fugiu de um reserva, na Índia. As autoridades montaram uma caça ao animal. Em 12 dias já matou quatro pessoas, no distrito de Moradabad, escreve a Sky News.

A mulher foi atacada e morta quarta-feira. As autoridades dizem que já identificaram quatro corpos, todos com «marcas de dentadas e de garras». Nas buscas pelo tigre participam dois elefantes.

O objetivo é conseguir que o animal regresse à reserva, o Jim Corbett National Park, uma área muito popular para os turistas. Devido ao perigo de extinção, estes animais estão protegidos por lei e não podem ser mortos.

No entanto, o governo local já tomou medidas para declarar este um «tigre assassino» e, dessa forma, as autoridades poderem abatê-lo.

Os aldeões do distrito de Moradabad não poupam críticas às autoridades, por ainda não terem conseguido capturar o animal. O Jim Corbett National Park fica a mais de 110 quilómetros e, nesta reserva, existem cerca de 200 animais.

Na índia existem, atualmente, cerca de 1 700 tigres. Esta é uma das espécies mais ameaçadas do mundo e as autoridades estão a fazer um esforço na sua proteção. Em 1947, quando conquistou a sua independência, o pais acolhia mais de 40 mil tigres. O rápido declínio teve origem nos caçadores, no contrabando e na perda de habitat.