Um fotógrafo ficou ferido, esta segunda-feira, com gravidade, depois de um homem ter entrado na sede do diário «Libération», em Paris. Horas depois, abriu fogo sob a fachada da torre Granite da Société Générale, na Défense, sem fazer vítimas. Poucos minutos depois raptou um homem que abandonou nos Campos Elísios, fugindo na viatura da vítima.

Diretor do jornal e ministro do Interior explicam incidentes

Ao que indica a imprensa francesa, este suspeito, ainda não identificado, será o mesmo que na passada sexta-feira entrou nas instalações do canal de televisão de notícias BFMTV e ameaçou os jornalistas antes de se pôr em fuga.

O fotógrafo do «Libération», de 27 anos, ficou ferido no tórax e o seu prognóstico é reservado, adiantou fonte policial à Reuters, acrescentando que ainda não se sabe o motivo do ataque.

«Ele entrou, disparou duas vezes e saiu», revelou o chefe de redação do jornal Fabrice Rousselot à BFMTV, acrescentando que se trata de «um indivíduo na casa dos 40 anos, de cabelos curtos e que vestia um colete à prova de bala».

Anastasia Vécrin foi a primeira pessoa a entrar no hall do «Libération» depois do tiroteio. Em declarações à publicação, a jornalista afirma que viu o colega no chão e muito sangue.

«Eu tinha chegado e disse às pessoas que chegaram depois de mim para não entrar, que tinha acontecido alguma coisa de grave, alguma coisa bizarra, que eu não percebia. Vi dois colegas meus a saírem, pálidos, quando um deles disse: "só ele é que foi baleado, eu estava escondido atrás da secretária"», revelou.

A brigada criminal da polícia judiciária parisiense está no local, onde está a investigar as causas do incidente.

Horas depois, novo tiroteio

De acordo com o «Le Monde», o homem vestia um casaco verde-caqui e, segundo testemunhas, trata-se do mesmo homem que horas depois abriu fogo sob a fachada da torre Granite da Société Générale, na Défense, sem fazer vítimas. Uma outra testemunha afirma que o homem tinha roupas «de cores vivas». Apesar das similaridades, não há ainda certezas de que se trata do mesmo indivíduo.

A polícia afirma que o homem atirou pelo menos duas vezes contra o prédio, sem tentar atingir ninguém em particular, apesar dos empregados se encontrarem junto do edifício. Mais uma vez, voltou a fugir a pé, ainda armado. As autoridades já se encontram no local.

Pouco tempo depois dos tiros à torre Granite, um automobilista afirmou à polícia que o seu carro foi roubado perto da Défense. No entanto, de acordo com o Le Monde, existem duas versões sobre o ataque. Segundo a Reuters, o condutor foi obrigado a levar o seu agressor até aos Campos Elísios, enquanto fonte policial, citada pelo Le Parisien, afirma que o atirador assumiu o volante e deixou o refém nos Campos Elísios antes de fugir.

Divulgada primeira imagem do suspeito

De boné na cabeça, colete à prova de bala e arma em punho. É desta forma que o atirador de Paris aparece na primeira imagem divulgada pelas autoridades francesas.

O homem continua em fuga e as autoridades reuniram todos os meios para o tentar encontrar.

Para além das buscas por terra, a polícia tem percorrido a cidade de helicóptero à procura do suspeito dos tiroteios desta segunda-feira de manhã.

[Atualizada às 16h02]