O corpo de uma diplomata inglesa foi encontrado junto a uma autoestrada de Beirute, cidade do Líbano, na manhã do passado sábado.

As circunstâncias que envolvem a morte de Rebecca Dykes, com 30 anos, não são ainda conhecidas. Contudo, a polícia local, citada pelo The Guardian, acredita que a mulher terá sido estrangulada.

Encontraram o corpo sem qualquer identidade junto a ele, na autoestrada Metn, que estabelece a ligação entre a capital libanesa e os subúrbios do nordeste. O exame forense indica que a hora da morte terá sido por volta das quatro da madrugada do passado dia 16 de dezembro.

Uma fonte judicial do Líbano reportou ao The Guardian que Rebecca Dykes passou a noite com os amigos, num café em Gemmayze, em Beirute. Terá partido sozinha à meia-noite.

O suspeito do crime foi detido na manhã desta segunda-feira. Não se conhecem quaisquer detalhes sobre o suposto assassino.

Apenas se sabe que ele é identificado nos meios de comunicação libaneses pelas inicias – TH – e que se acredita tratar-se de um taxista. A polícia local considera que o homicídio não terá tido motivações políticas.

Hugo Shorter, o embaixador britânico no Líbano, pronunciou-se acerca do caso no Twitter, onde afirmou que toda a embaixada está profundamente chocada com a notícia e que vai oferecer apoio à família.

 

 

“Nós estamos devastados com a perda da nossa querida Rebecca. Estamos a fazer tudo o que conseguimos para entender o que se passou. Pedimos que os media respeitem a nossa privacidade, enquanto estamos todos juntos como uma família durante este período difícil”, declarou um porta-voz da família, citado pelo The Guardian.

Rebecca Dykes trabalhava como coordenadora de políticas e programas no Departamento para o Desenvolvimento Internacional e na equipa da Líbia do Ministério dos Negócios Estrangeiros. Antes, exerceu funções, também nos Negócios Estrangeiros, como analista na pesquisa sobre o Iraque.

O caso está a ser investigado pelo departamento das forças de segurança interna do Líbano.