Câmara «suspende» ideia de plantar droga para pagar dívidas

56,3 por cento da população disse «sim» no referendo, mas projeto precisava de 75 por cento

Por: tvi24 / PP    |   10 de Abril de 2012 às 23:04
O plano anti-crise da edilidade espanhola de Rasqueda, Tarragona, que inclui uma plantação de cannabis, foi aprovado, em referendo, pela maioria dos habitantes, com 56,3 por cento. No entanto, de acordo com os media espanhóis, o projeto precisava de chegar aos 75 por cento para avançar. Por isso, por agora, a ideia foi «suspensa».

Votaram 554 moradores de Rasquera, o que corresponde a 68 por cento dos 840 registados na localidade, maiores de 18 anos.

O plano da autarquia, segundo escreve a Lusa, resultante da necessidade de reduzir a dívida autárquica, previa a criação de 40 postos de trabalho e a obtenção de receitas de 1,3 milhões de euros em dois anos.

O alcaide, Bernat Pellisa, tem agora de decidir se se demite, cumprindo a promessa de o fazer se não obtivesse 75 por cento de apoio ao projeto, ou se, pelo contrário, assume outra opção, depois de fazer uma leitura mais ponderada dos resultados.

A equipa autárquica apresentou uma proposta em fevereiro que previa o aluguer de terrenos públicos a uma entidade catalã para a plantação de cannabis, num projeto que poderá representar receitas de 550 mil euros anuais.

A iniciativa foi apresentada à autarquia pela Associação Barcelona Cannábica de Autoconsumo (ABCDA), uma entidade com fins lúdico-terapêuticos de cinco mil sócios, que quer alugar os terrenos nesta região agrícola.

A ABCDA compromete-se a pagar 36 mil euros pela assinatura de um convénio com a autarquia e entregar anualmente 550 mil euros pelo aluguer do terreno e para gastos legais, jurídicos e de segurança.

A iniciativa do autarca, da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), está a ser fortemente contestada pela oposição dos conservadores nacionalistas da CiU, que consideram o projeto «irresponsável».
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Cannabis
Cannabis

COMENTÁRIOS

PUB
Ministro enfrenta novas demissões de chefes de urgências

Chefes da Urgência do Hospital do Litoral Alentejano demitem-se. Médicos apontam uma «degradação contínua das condições de trabalho no Serviço de Urgência» e recusam continuar à frente do serviço. Conselho de Administração já reagiu e «recusa a existência de falta de material, bem como a alegada degradação do serviço». Depois dos chefes das urgências do Garcia de Orta, dos diretores de serviço do Amadora-Sintra e do diretor do Santa Maria, esta é a quarta saída de dirigentes hospitalares