A cadeia de lojas Starbucks anunciou que vai fechar todos os seus estabelecimentos nos Estados Unidos durante a tarde de 29 de maio, uma terça-feira, para dar formação aos funcionários sobre preconceitos e práticas racistas. A medida surge depois de a empresa norte-americana ter sido acusada de discriminação racial num incidente que se tornou viral nas redes sociais.

O caso que está na origem da polémica aconteceu numa loja em Filadélfia e foi registado num vídeo partilhado na semana passada no Twitter.

Dois homens negros estavam sentados no estabelecimento sem consumir e quando pediram para usar a casa de banho, um funcionário informou-os que só os clientes podiam ter acesso à mesma.

Os indivíduos explicaram que estavam apenas à espera de um amigo para começarem a consumir, mas o gerente pediu-lhe que abandonassem a loja. Os homens recusaram sair e a polícia foi chamada ao local.

Ambos foram algemados, sem oferecer resistência, e levados para uma esquadra onde passaram oito horas sob custódia. O vídeo mostra os dois homens calmos a tentar perceber os motivos para as detenções.

As imagens foram originalmente partilhadas no Twitter por Melissa DePino‏, que assistiu a tudo, e tornaram-se virais. 

A polícia foi chamada porque estes homens não tinham consumido nada. Estavam à espera de um amigo, que chegou quando já estavam algemados por não terem feito nada. Todas as outras pessoas brancas estavam a perguntar por que é que isto nunca aconteceu connosco quando fazemos o mesmo", escreveu Melissa DePino, na publicação.

O diretor da empresa, Kevin Johnson, já pediu desculpas pelo que considerou ser um incidente que merece repreensão e garantiu que vão ser tomadas medidas para “prevenir que tais incidentes voltem a acontecer”.

A Starbucks mostra-se firmemente contra a discriminação racial,” sublinhou o responsável num comunicado divulgado este fim de semana.

Mas um pedido de desculpas pode não ser o suficiente para reparar a imagem junto do público e, a pensar nisso, a empresa anunciou que vai fechar todas as 8.000 lojas nos Estados Unidos durante a tarde de 29 de maio. Durante essa tarde, cerca de 175.000 funcionários vão receber uma formação contra práticas racistas para que situações como esta não se repitam.