O Presidente da Venezuela anunciou que, a partir desta quarta-feira, os serviços públicos do país param as atividades às quartas, quintas e sextas-feiras, durante pelo menos duas semanas, para poupar energia elétrica.

O anúncio foi feito no programa "Em Contato com Maduro", transmitido pela televisão estatal venezuelana.

Pelo menos durante duas semanas, as quartas, quintas e sextas-feiras vão ser não laboráveis", disse Nicolas Maduro, segundo as agências. 

Esta medida junta-se a outras já implementadas pelo governo de venezuelano de racionamento da energia. Desde segunda-feira que o país fica às escuras quatro horas por dia durante 40 dias, pelo menos. 

Venezuelanos saem à rua em protesto

O racionamento do fornecimento de eletricidade na Venezuela originou protestos em diversas localidades do país na terça-feira à noite, tendo havido tentativas de pilhagem de estabelecimentos comerciais em alguns locais.

Segundo as páginas de Internet dos jornais locais, os maiores protestos ocorreram em Maracaibo, uma das cidades mais quentes da Venezuela, situada a oeste da capital, onde desde há dois dias a população reclama pela falta de eletricidade.

Os manifestantes queixam-se de que os cortes de energia são contínuos e que duram muito mais tempo do que as quatro horas diárias estipuladas pelo Executivo para poupar eletricidade e reduzir a descida do nível de água das barragens, na sequência da seca que atinge o país.