A Autoridade dos Aeroportos do Quénia (KAA) investiga a relação do incêndio no aeroporto de Nairobi, na quarta-feira, com um proprietário de lojas «duty free» que foram demolidas dias antes no local.

Segundo o jornal queniano Daily Nation, o Governo ordenou a demolição daqueles estabelecimentos livres de impostos do empresário queniano Kamlesh Pattni no Aeroporto Internacional Jomo Kenyatta, em finais de julho, depois de considerar que conseguiu ser proprietário das lojas de forma ilegal e fraudulenta.

O empresário controlava 70% das lojas do aeroporto de Nairobi e as salas destinadas a passageiros de primeira classe desde o final da década de 1970, durante a presidência de Daniel Arap Moi.