O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) queimou hoje vivos mais 43 habitantes da zona de Al Bagdadiya, na província ocidental iraquiana de Al Anbar, revela a agência de notícias EFE com base em fontes de segurança.

Segundo a agência de notícias espanhola EFE, as vítimas tinham sido sequestradas pelo grupo radical há mais de uma semana na zona de Al Bagdadiya.

Antes de lhes pegar fogo, os membros do autoproclamado Estado Islâmico prenderam numa jaula os sequestrados, na sua maioria polícias e elementos dos Conselhos de Salvação (a milícia pró-governo sunita) .

Este assassinato será semelhante ao ocorrido há algumas semanas e divulgado pelo EI através de um vídeo, que mostrava um piloto jordano preso numa cela de grades colocada ao ar livre e a quem atearam fogo.

O piloto jordano Muaz Kasasbeh tinha sido capturado na Síria em dezembro, durante uma operação da coligação internacional contra o EI.

Já esta semana, a 17 de fevereiro, o EI executou e queimou outras 40 pessoas, também na sua maioria elementos da polícia e dos Conselhos de Salvação.