Pelo menos 53 pessoas morreram e 50 ficaram feridas no Paquistão, na sequência de uma explosão num hospital em Qetta, no oeste do país, avança a SkyNews.

O porta-voz da polícia provincial, Ghulam Akbar, explicou à agência Efe que, pouco antes da explosão, foi levado para este hospital o presidente da Associação de Advogados, Bilal Anwar Kasi, do Baluchistão, atingido num tiroteio.

(AVISO: As imagens podem ser consideradas chocantes)

O advogado foi assassinado a tiro por um grupo de homens não identificados por volta das 09:00 locais (07:00 em Lisboa), disse um porta-voz da polícia.

Quase uma hora depois houve "uma forte explosão" no Hospital Civil de Qetta, para onde tinha sido levado o corpo de Bilal Anwar Kasi e onde se encontrava um grande número de advogados.

De acordo com a agência Reuters, o homem-bomba fez-se explodir junto ao portão principal do hospital e as vítimas são advogados - provenientes do tiroteio, que ocorreu minutos antes - e jornalistas, que estavam no local a acompanhar a situação. 

O porta-voz do Governo do Baluchistão acredita que o ataque foi planeado:

Parece que foi um ataque preparado", disse à Reuters. 

A polícia evacuou o hospital logo após a explosão. O ataque não foi, para já, reivindicado por nenhum grupo terrorista. 

O número de mortos pode subir nas próximas horas, uma vez que há muitas pessoas que estão em risco devido à gravidade dos ferimentos, segundo o ministro da saúde da província de Baluchistão.