Professora acusada de ter sexo com quatro alunos

Ashley Nicole-Anderson manteve uma relação com um aluno de 18 anos e fez sexo oral com outros três

Por: Redação / CL    |   22 de Outubro de 2012 às 17:22
Uma professora de matemática norte-americana está a ser acusada de ter feito sexo com pelo menos quatro dos seus alunos.

De acordo com o «Daily Mail», Ashley Nicole-Anderson, professora na escola secundária de Aplington-Parkersburg, em Iowa, é acusada não só pelos atos sexuais com os jovens, mas também de ter abusado sexualmente de um adolescente de 18 anos que confiou as informações a um amigo.



Segundo a acusação, a jovem de 24 anos terá praticado ainda sexo oral com outros três estudantes e enviou para os alunos fotografias em que aparecia despida.

Para além de lecionar Matemática, a professora de matemática estava envolvida na organização do baile de finalistas da escola e em várias campanhas de segurança e prevenção rodoviária.

Os casos sexuais ocorreram entre 1 de agosto de 2011 e 30 de junho de 2012 e já foram admitidos por Ashley.

O diretor da escola, Dave Meyer, já veio afirmar num comunicado citado pelo «Daily Mail» que os alunos serão sempre a prioridade e «que se seguiram todas as políticas da escola em relação a questões como esta. A escola vai cooperar totalmente com a investigação policial».

A professora foi inicialmente detida na prisão de Butler mas acabou por sair após o pagamento de uma fiança de cinco mil dólares (cerca de 3800 euros). Arrisca-se agora a uma pena de cinco anos de prisão por cada uma das acusações.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Professora acusada de ter relações sexuais com quatro alunos
Professora acusada de ter relações sexuais com quatro alunos

COMENTÁRIOS

PUB
BES: pode Cavaco Silva recusar depor no Parlamento?

O chumbo da audição do Presidente da República será uma situação inédita na comissão de inquérito sobre o colapso do Banco Espírito Santo. Até agora, nenhum requerimento, de qualquer partido, foi chumbado. A oposição queria ouvir o chefe de Estado, mas o PSD já anunciou que votará contra. O mais provável é que o CDS-PP alinhe no mesmo. Ou seja, Cavaco Silva deverá, como quer, escapar a mais esclarecimentos. No entanto, se a audição fosse aprovada, como todas as outras até aqui, teria mesmo de responder, nem que fosse por escrito.