O primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, considerou hoje que os planos de libertação dos assassinos de Rajiv Gandhi contrariam os princípios de justiça.

«Libertar os assassinos de um antigo primeiro-ministro da Índua e nosso grande líder, bem como de outros indianos inocentes, será contrário a todos os princípios de justiça», disse ao revelar que o Governo já iniciou o procedimento legal para travar esse objetivo.

Na quarta-feira o estado de Tamil Nadu aprovou a libertação dos sete condenados pelo homicídio do antigo primeiro-ministro indiano Rajiv Gandhi, decisão que tem de ser ratificada pelo Executivo central.