O PP de Mariano Rajoy voltou a ganhar as eleições em Espanha e melhorou mesmo os resultados em relação às eleições de dezembro (de 123 deputados, passou para 137. Em dezembro, conseguiu 28,71% dos votos e agora subiu para 33,03%). É a terceira vez que Mariano Rajoy vence escrutínios em Espanha: conseguiu vencer um por maioria absoluta, mas quer em dezembro, quer este domingo, fica longe dos 176 deputados necessários para formar Governo com apoio maioritário no Parlamento.

Numa altura em que faltam contabilizar 0,01% dos votos, ou seja, a contagem está praticamente encerrada, o PP está com 33,03% dos votos e 137 assentos parlamentares previstos. O PSOE firma o segundo lugar, com a previsão de chegar aos 85 deputados, o Podemos de Pablo Iglesias deverá conquistar 71 deputados e o Ciudadanos fica em quarto lugar, com 32 deputados.

As primeiras sondagens à boca das urnas colocavam o Podemos na segunda posição, mas à medida que os primeiros resultados oficiais foram sendo conhecidos percebeu-se que dificilmente essas previsões se cumpririam.

Os resultados deste domingo em Espanha não desbloqueiam a situação política que o país atravessa. Tudo continua dependente de eventuais coligações. O cenário político que sai destas eleições é muito semelhante ao que resultou das eleições de dezembro e que se traduziu no impasse político que culminou nestas eleições.

O Podemos, que concorreu unido com a Izquierda Unida, será o grande derrotado da noite, já que nem mesmo em coligação pré-eleitoral conseguiu ultrapassar os votos e os assentos parlamentares do PSOE. A soma dos votos do Podemos com a Izquierda Unida, nas eleições de dezembro, ultrapassava os socialistas. Mas coligados, este domingo, não conseguiram o mesmo feito.