Militantes da organização Partido dos Trabalhadores do Curdistão mataram este domingo várias pessoas em dois ataques separados, segundo o Exército e a imprensa local. 

O número de mortos ainda não foi confirmado, no entanto, segundo a agência Lusa seis pessoas morreram nos dois ataques: cinco soldados turcos e um ‘guarda de aldeia’.

Um soldado turco foi morto juntamente com o ‘guarda de aldeia’ (habitantes locais que cooperam com as forças de segurança turcas) no carro armadilhado na província oriental de Van.

Neste ataque, pelo menos 15 pessoas ficaram feridas, incluindo 10 soldados e cinco guardas de aldeia.

O segundo ataque foi uma explosão de uma bomba na província de Hakkari, segundo uma agência de notícias que cita as Forças Armadas. 

A Turquia vive uma histórica divergência com a etnia curda, que representa cerca de 20% da população do país, segundo o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, que luta pela criação de um estado independente.

O conflito entre a Turquia e o PKK dura há cerca de 30 anos e terá causado mais de 30 mil mortos.